1 mês

Sexta fez exatamente um mês que fui levar Felipe no aeroporto para finalmente dar início a nossa vida internacional. Deixei esse tempo passar para acumular novidades e para me adaptar melhor a minha vida de casamento a distância, que como eu já previa não sido tão boa.


Depois de ficar o primeiro dia no hotel, Felipe se mudou para uma casa da empresa, que fica em um condomínio bonitinho de casas. Ele está compartilhando a casa com outro brasileiro que trabalha em uma das empresas do grupo também.

Ele ainda não pode dirigir, pois eles não aceitam nossa carteira de motorista e parece que nem a que tiramos internacional, então todos os dias ele tem que esperar ser levado e trazido para todos os lugares pelo motorista da empresa, o que causa um certo atraso em tudo na vida. Mas nessa semana ele já deu entrada nos documentos para tirar a carteira árabe.

Ele também ainda não saiu da Arábia Saudita, pois ainda não tinha o visto de múltiplas entradas, que conseguiu hoje! Esse fim de semana ele foi  ao Bahrain (onde vamos morar) para conhecer tudo. Conto mais sobre lá no próximo post.

Fora a saudade, tudo está indo bem. Apesar de vermos muita diferença em como eles lidam com as coisas por lá, tudo muito complicado e burocrático, acho que Felipe tem se adaptado bem e tem conseguido progredir com o trabalho.



Algumas curiosidades (que eu lembro) desse mês:
- Quando o avião chega na Arábia Saudita as mulheres saem primeiro do avião, eles recolhem os passaportes delas e as levam para uma salinha, onde parece (Felipe não teve como saber né?) eles dão instruções de como devem se vestir e se portar no país.
- Lá não se pode beber nenhum tipo de bebida alcóolica, tadinho do meu marido cervejeiro! Detox obrigatória!
- Pessoas solteiras tem que se sentar separadas das pessoas que estão em família, inclusive tem banheiros exclusivos para eles.
- Várias vezes por dia eles param para orar. Então, Felipe falou que quando ele estava no shopping passeando e de repente tudo fecha para eles orarem e aí eles tem que esperar para as lojas reabrirem.
- Eles lavam os pés nas pias antes de orar.
- Eles não usam cartão de crédito nem de débito pra nada. Devido a isso, as pessoas andam com patacas de dinheiro pelas ruas e as lojas online funcionam tipo delivery. Você compra e só paga quando sua mercadoria chega na sua casa.

Acho que é isso de curiosidades por enquanto...

Quanto a mim, creio que na semana que vem eu já consiga enviar meu passaporte para embaixada para pegar o meu visto, mas como tem o carnaval no meio, creio que ele só chegará para o fim de fevereiro. Em março farei uma cirurgia simples, e terei que ficar mais uns dias por aqui, mas acho que lá pelo meio de março já estará tudo pronto pra minha ida. Ainda não sei muito bem se vou sobreviver a saudade, mas como Felipe me fala quase todos os dia: Tenho que ser forte! :)