diario de bordo.


[ Dedico esse post à minha queridíssima amiga, Carol Ianino (hihi), que eu amo tanto e que acredita em mim e nos meus talentos. Obrigada, friend!]

5 de agosto de 2009

Meu quarto – Base YWAM Swaziland

Quanta poesia há numa ventania! Hoje eu acordei pensando que estava numa cabana perto do mar, mas na verdade. O barulho das ondas era o vento batendo nas folhagens das árvores aqui da base. O som é tão lindo! Será que Deus copiou o som das árvores e pos no mar ou vice-versa?

De qualquer forma, isso não importa muito agora. O que importa mesmo é que eu O encontro em ambas as coisas e em muitas outras. Ele pra mim é como esse vento forte e constante que bate nas folhas não as deixando sempre na monotonia de estar sempre presas à um galho. Sinto-me como um dessas milhares de folhas quem clamam e anseiam por uma ventania para refrescar seus galhos e revelar seus verdes.

Deus tem me dado muitas ventanias ultimamente. Espero que elas sigam constantes. E se por acaso alguma delas vier de uma maneira tão forte que me desprenda do galho e me leve pra outro canto, eu nem vou me importar. Pois na verdade o bom não é viver de ventanias, o bom é estar junto com o Vento. Sempre.

Mariana Magno