soneto sem senti(n)do.

Quando eu não consigo escrever o que eu sinto,
me sinto presa em mim mesma
Falo para os meus sentimentos me soltarem,
e solto um grito que a minha liberdade anseia. 


Quando as palavras me fogem dos dedos
fujo pros braços infinitos da minha memória
Peço que ela me empurre pra lugares bons e esquecidos
e esqueço do que me prende e me lanço em todo agora.


Preciso escrever para que as palavras não me sufoquem com pensamentos
Para que eu caminhe mais leve, dividindo o fardo
Para que canções sejam feitas e presentes sejam dados.


Preciso escrever para eu mesmo de longe possa te abraçar
Para que nada se resuma no aqui e para que o tempo faça sentido
Para que o mundo seja descrito em uma voz no seu ouvido.